“EU TERIA UM LONGO TRATADO SOBRE TRAIÇÃO PRA FALAR DO EUNÍCIO”, AFIRMA RC


Acusado de traição pelo presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB), o prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (PDT) disse, na manhã desta quinta-feira, que “teria um longo tratado sobre lealdade, traição e lado político pra falar do Eunício e do MDB”.

O prefeito, no entanto, evitou responder diretamente às críticas do emedebista, que se tornou alvo de aliados de RC depois que empréstimo de US$ 150 milhões contratado pela Prefeitura junto ao Banco Mundial retornou para a Casa Civil do governo de Michel Temer (MDB).

Não é bom nesse momento eu nutrir qualquer tipo de rivalidade pessoal ou ataques pessoais”, declarou Roberto Cláudio à repórter Germana Pinheiro, da Rádio O POVO/CBN. Para ele, isso “não ajudará na resolução desse impasse” sobre a concessão dos recursos, que está emperrada depois de dois anos de trâmite.

Segundo aliados do gestor municipal, Eunício teria atuado deliberadamente para barrar o empréstimo após sofrer derrota na Capital, onde ficou apenas em quarto lugar nas eleições, atrás de Cid Gomes (PDT), Eduardo Girão (Pros) e Mayra Pinheiro (PSDB).

Em entrevista ao O POVO publicada na edição de hoje, Eunício nega interferência sobre o andamento da operação de crédito e responsabiliza Roberto Cláudio por seu revés na cidade administrada pelo pedetista.

O Ceará é detentor de um dos três poderes da República (o Legislativo, presidido pelo senador). Foi a traição do Roberto Cláudio que retirou esse poder que o estado tinha”, afirmou Eunício.
Em seguida, o emedebista disse que havia selado acordo com o prefeito em reunião na casa do governador Camilo Santana (PT) no dia 20 de julho.

Conforme o senador, naquela ocasião, RC se comprometera em apoiá-lo, mas teria feito trato com os seus adversários durante a campanha eleitoral.

Na mesma entrevista, Eunício cita “Capitão Wagner e cia.” entre os nomes com quem o chefe do Executivo municipal havia conversado com o objetivo de derrotá-lo em Fortaleza.

De acordo com Roberto Cláudio, no entanto, o senador perdeu não apenas na capital cearense.

Olhe todos os municípios do entorno de Fortaleza. Caucaia, Maracanaú, Aquiraz, Itaitinga e Eusébio”, afirmou. “Em todos, o senador foi o quarto colocado. Foi um revés eleitoral por alguma razão, não vou aqui entrar em interpretação.”

O prefeito ressaltou que “a pergunta que se tem que responder é bem simples: é se o senador Eunício vai se vingar da rejeição eleitoral que ele sofreu em Fortaleza, atrapalhando o povo, ou ele vai cumprir a sua obrigação de senador da República”.

O pedetista menciona ainda uma mensagem que Eunício lhe teria enviado pelo aplicativo Whatsapp em 4 de outubro, três dias antes da votação de primeiro turno.

Nessa mensagem, conta RC, o parlamentar do MDB garantia que a votação do empréstimo no Senado estava marcada para o dia 10 de outubro.

O prefeito finaliza: “Até esse momento, o que estou pedindo é mediação, conciliação e bom-senso. Estou apelando à consciência e à responsabilidade da sua obrigação, mas irei brigar até o último momento. Não irei deixar isso barato”.

(Henrique Araújo - Opovo)

Comentários