Do futuro ministro das Relações Exteriores: “Quem controla o discurso nos jornais e universidades controla a vida social”

Ernesto Araújo escreveu artigo no jornal Gazeta do Povo, do Paraná

Vejam trechos de um artigo assinado pelo futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no Gazeta do Povo, do Paraná.

Algumas pessoas gostariam que Jair Bolsonaro tivesse escolhido um chanceler que saísse pelo mundo pedindo desculpas. Jornalistas estão escandalizados, colegas diplomatas estão revoltados. Por quê? Porque pela primeira vez terão de olhar o seu próprio povo na cara e escutar sua voz?

Você, leitor, quer acabar com a ideologia em política externa? Também quero. Essa é a principal missão que o presidente me confiou. Os marxistas de hoje dizem que o ‘marxismo cultural’ não existe e você acredita, simplesmente porque não tem os elementos de juízo e o conhecimento necessário.

O marxismo há muito tempo deixou de buscar o controle dos meios de produção material e passou aos de produção intelectual, os de produção do discurso público: mídia e academia. Quem controla o discurso nos jornais e universidades controla a vida social de maneira muito mais eficiente. Vencida na economia, a ideologia marxista penetrou insidiosamente na cultura e no comportamento, nas relações internacionais, na família e em toda parte.

O alarmismo climático, o terceiro-mundismo automático, a adesão às pautas abortistas e anticristãs nos foros multilaterais, a destruição da identidade dos povos por meio da imigração ilimitada, tudo isso são elementos da ‘ideologia do PT’, ou seja, do marxismo. Mas, quando me posiciono contra essas pautas, você diz que sou ideológico e sustenta que não deveria fazer nada a respeito. Você é contra a ideologia? Então é preciso alguém que entenda de ideologia. Para curar uma doença, não basta dizer que a detestamos, é preciso conhecer suas causas e manifestações, suas estratégias e seus disfarces. Você é a favor da democracia?


 Então deixe o povo brasileiro entrar na política externa.”

Comentários